Verão seguro, verão feliz

Verão seguro, verão feliz

As crianças até os quatro ou cinco anos, exigem atenção permanente e algumas medidas de prevenção de risco. O verão é uma época propícia a acidentes, esteja preparada para evitá-los e para reagir numa situação limite


De acordo com a Associação Portuguesa para a Segurança Infantil (APSI), todos os anos "pelo menos 52 crianças são vítimas de afogamento", e só em 2008 morreram 20 crianças em acidentes de viação e o Centro de Informação Antivenenos registou quase 11 mil intoxicações por medicamentos e outros produtos.

Mas pode reduzir os riscos mudando os comportamentos. Manuel Coutinho, coordenador da linha SOS Criança/IAC, declarou numa entrevista ao Expresso que "os pais nunca podem baixar a guarda. (...) Os acidentes acontecem precisamente quando pensamos que não vão acontecer e bem pertinho dos pais".

Para que não aconteça consigo, decore estas regras:

Na praia

  • Vá para praias vigiadas.
  • Nunca perca as crianças de vista.
  • As braçadeiras só são eficazes e em águas paradas e pouco profundas, nas crianças que sabem nadar. Coloque-as sempre bem ajustadas.
  • Se for andar de barco ou de canoa, nunca dispense o colete de salvação, nem para os miúdos nem para si.
  • Se tem várias crianças, ensine-as a estarem atentas umas às outras.
  • Repreenda-as quando tiverem comportamentos perigosos.
  • Os colchões e barcos insufláveis viram-se com facilidade e são arrastados pelo vento ou levados pela corrente. Evite-os.
  • Ensine-os a nunca mergulharem de cabeça se não conhecerem bem o fundo, mesmo em águas profundas.
  • O álcool diminui a sua atenção e a capacidade de reação em caso de emergência. Não beba.

Na piscina

  • Não espere ouvir barulho caso o seu filho caia à água. Esteja sempre alerta.
  • Não os deixe correr à volta das piscinas nem nas passadeiras lava-pés. Uma escorregadela pode ser fatal ou causar transtornos graves.
  • Ao chegar ao local de férias, inspecione as portas, os acessos à piscina, lagos, tanques, fontes, etc..
  • Ensine-os a boiar ou a nadar o mais depressa possível.
  • Evite as boias de cintura (se mergulharem, não se conseguem virar).
  • Aprenda os princípios básicos de respiração boca-a-boca e reanimação. Uma reação eficaz nos primeiros 10 minutos pode ser a diferença entre a vida e a morte e evitar sequelas irreversíveis.

No campo

  • Use equipamento adequado, chapéu, botas e creme protetor.
  • Chame-lhes a atenção para os insetos perigosos.
  • Leve um kit de primeiros socorros (água oxigenada, mercurocromo, pinça, gaze, fita adesiva, ligadura, creme anti-histamínico e cicatrizante).
  • Ensine-os a andar em terreno escorregadio e a apoiar bem os pés.
  • Não deixe as crianças comerem bagas ou sementes de plantas desconhecidas.

No parque infantil

  • Ensine-os a respeitar as filas e os outros meninos, a terem cuidado com os mais pequenos.
  • Ensine-os a passar a uma distância segura dos baloiços.
  • Nunca é demais lembrar-lhes que não devem falar com estranhos nem ir com ninguém desconhecido. Os pais devem estar sempre atentos e ir ter com eles de vez em quando.
Registration

Torne-se membro do Para Mim e beneficie de ofertas exclusivas

Torne-se Membro

No carro

  • Usem sempre os cintos de segurança!
  • Leve as crianças até 4 anos com a cadeirinha virada para trás. Esta medida pode salvar 9 em cada 10 crianças em caso de acidente, protegendo melhor o seu pescoço, ainda frágil. Procure uma cadeirinha que permita esta posição.
  • Respeite os limites de velocidade em quaisquer circunstâncias. De acordo com a APSI, "A 80km/h, as hipóteses de sobrevivência são quase nulas!!!".
  • Não fale ao telemóvel e evite fumar, mesmo que viaje sozinha. Uma pequena distração pode provocar um acidente mortal.

Em casa

  • Em casa, tenha mil olhos e mil ouvidos. Desconfie sempre dos silêncios demorados.
  • Perca tempo a ensinar às crianças tudo o que podem e não podem fazer, sendo muito rigorosa com o "não". De acordo com a APSI "mais de 75% dos acidentes com crianças dos 0 aos 4 anos acontecem em casa".
  • Explique-lhes o risco de tomar remédios ou de mexer em produtos perigosos (entre os quais colónias, aftershaves e todos os que possam conter álcool) e não os deixe brincar com as embalagens vazias, frascos ou tubos de pomada.
  • Não os deixe subir aos móveis ou trepar. Se acontecer, repreenda-os firmemente ou assuste-os simulando uma queda, para perceberem as possíveis consequências.
  • Mantenha os produtos de limpeza afastados das comidas e bebidas. A maior parte dos acidentes em casa têm lugar na cozinha.

Dicas de primeiros socorros

Em qualquer caso: antes ou depois de prestar os primeiros socorros, ligue ou peça a alguém para ligar para o 112 e dê informações claras e precisas, respondendo às perguntas que lhe forem colocadas.

Em caso de afogamento: inicie a reanimação cardiorrespiratória e mantenha-a até à chegada da ambulância.

Em caso de incêndio: aja sobre o calor, impedindo que o fogo alastre. Caso não tenha um extintor, abafe-o com um cobertor. Nunca deite água em incêndios provocados por aparelhos elétricos.

Em caso de queimadura: ponha água fria, muita água. Nunca aplique gordura (manteiga, azeite, óleo).

Em caso de eletrocussão: desligue imediatamente o quadro da eletricidade. Não toque na pessoa – a não ser que tenha à mão um material não-condutor, como o plástico ou madeira, para a afastar da corrente; caso contrário também pode ficar eletrocutada.

Em caso de intoxicação por produtos químicos: ligue imediatamente para o 112. Não provoque o vómito pois pode ser ainda mais prejudicial, como no caso de derivados de petróleo, lixívias ou produtos ácidos. Nestas situações deve dar água ou leite, mesmo que a pessoa esteja a espumar ou convulsiva. Tape-a com cobertores e leve os produtos em questão para o hospital.

Contactos úteis

Número Nacional de Emergência: 112
Linha Saúde 24 – telefone de emergência: 808 24 24 24
CIAV (Centro de Informação Antivenenos): 808 250 143

APSI
A Associação Portuguesa para a Segurança Infantil organiza cursos e workshops de consciencialização e primeiros socorros. Para saber onde vai ser a próxima ação, contacte-os.
Telefone: 218 844 100 (dias úteis, das 9h30 às 13h00 e das 14h30 às 17h30)
E-mail: apsi@apsi.org.pt
Internet: www.apsi.org.pt

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Confirme os seus dados pessoais

Para finalizar o processo, preencha por favor os dados seguintes

Dicas muito importantes para pudermos agir corretamente em casos de urgência.

  • Reportar