DIGA NÃO ÀS DORES DE CABEÇA!

DIGA NÃO ÀS DORES DE CABEÇA!

Às vezes pensamos que a dor de cabeça é algo inevitável… um incómodo com o qual temos que viver quer queiramos, quer não, mas não é verdade: pode evitar-se, mas tem que saber como tratá-las e preveni-las. Contamos-lhe aqui algumas coisas que deve ter em conta e os melhores tratamentos para cada caso.


Em algum momento das nossas vidas, as dores de cabeça tornaram-se companheiras inseparáveis. De facto, as estatísticas revelam que uma em cada cinco pessoas no mundo sofre de dores de cabeça de forma regular e 12% sofrem de enxaquecas. Não nos parece que faça sentido sofrer em silêncio, especialmente quando se trata de algo que se pode corrigir com facilidade.

O que é uma dor de cabeça?

Uma dor de cabeça é qualquer dor na cabeça, tanto as que duram um segundo como as que podem deixá-la KO por vários dias. As dores de cabeça dividem-se em duas categorias: primária e secundária. Uma cefaleia primária é quando a dor é apenas de cabeça e uma dor de cabeça secundária é quando advém de outro problema de saúde.

Agentes provocadores e causas

Ao longo de anos de tentativa e erro, pode ter descoberto que cada vez que come chocolate ou bebe um copo de vinho tinto, ou está stressada, acaba com uma dor de cabeça, concluindo portanto que estas são as razões do seu incómodo. Errado! Há uma diferença entre a estrutura que provoca a dor e o agente que reage à verdadeira causa.

As causas da maioria das dores de cabeça primárias resultam de estruturas fora do crânio e podem dividir-se em duas categorias: musculares ou vasculares. As dores de cabeça musculares são causadas pela tensão dos músculos da mandibula e do pescoço. As dores de cabeça vasculares são causadas por problemas na rede de artérias que corre entre o crânio e a pele da cabeça.

O pensamento académico atual afirma que as dores de cabeça vasculares resultam em enxaquecas e as musculares são cefaleias de tensão, mas não há um acordo claro já que existem pessoas que apresentam sintomas de enxaqueca e têm causas musculares.

Faça um diário

Fazer um diário da sua dor de cabeça é uma forma rápida de determinar que alimentos ou circunstancias podem funcionar como agentes e também ajudará o seu médico a manipulá-los de forma mais eficaz quando procurar um tratamento.

Para cada entrada, deve anotar os seguintes dados sobre a dor:

  • A data e hora (de início e fim).
  • A intensidade da dor de cabeça.
  • O tipo de dor (por exemplo: pontadas, palpitante, contínuo, pesada).
  • Sintomas anteriores à dor (por exemplo, náuseas).
  • Possíveis fatores causadores (acabava de comer uma sanduiche de queijo, ou tinha estado a correr).
  • Para reduzir a dor – que medicamentos tomou? Quantos? Resolveram?
  • Depois, a dor desapareceu, continuou de forma moderada, ou não teve qualquer alívio?

Quando consultar um médico no imediato

  • Se a dor é acompanhada de fraqueza nas extremidades, se tem visão desfocada ou dificuldade para falar.
  • Se está com convulsões ou qualquer outro tipo de ataque.
  • Se a dor é resultado de alguma lesão na cabeça.
  • Se é uma dor de cabeça repentina e nunca teve uma dor de cabeça anteriormente.
  • Se também tem febre e dores no pescoço.
  • Si a dor piora constantemente.

Pense… a localização da dor varia com intensidade, pressão ou dores variáveis? Se a resposta for positiva pode ser uma dor de cabeça de tensão. Algumas pessoas têm tendência para sofrer de problemas musculares e estes, tal como as más posturas ao sentar-se, dormir ou viajar podem ser a causa subjacente das cefaleias tensionais.

Estas resultam habitualmente de um sintoma das articulações, dos músculos e nervos do pescoço e da articulação da mandibula. As características mais comuns destas dores de cabeça incluem:

  • Dor provocada pelo movimento do pescoço ou de mudança de posição.
  • Raio de movimento do pescoço reduzido.
  • É uma dor moderada, não insuportável e, em alguns casos está associada a enjoos e náuseas.
  • Um histórico de doenças na cabeça e pescoço.
  • Algum trauma, por exemplo, na cervical.

A verdade sobre as dores de cabeça sinusais

As dores de cabeça habitualmente chamadas de sinusais quase nunca estão associadas aos seios perinasais. Costumam ser resultantes de tensão, uma dor que se sente por baixo das maçãs do rosto e que podem confundir-se com problemas de sinusite.

A dor expande-se por toda a cabeça e movimenta-se piorando o seu estado? Se for este o seu caso tome nota:

Desidratação: Uma hidratação desadequada pode provocar uma resposta do corpo em forma de dor de cabeça. Se tomar um remédio com um grande copo de água e a dor regredir, é mais provável que a cura seja a água.

Está mais forte apenas de um lado? É acompanhada de náuseas e vómitos com uma dor intensa e um início e final muito marcados?
Se for este o seu caso tome nota:

Enxaqueca: Uma enxaqueca é uma dor de cabeça, mas nem todas as dores de cabeça são enxaquecas. Dito isto, há um grande debate sobre o que é exatamente uma enxaqueca e quais as suas causas. Sabe-se que as mulheres são mais propensas a sofrer deste mal, do que os homens (o que sugere uma relação hormonal) e que duram de quatro a 72 horas. Geralmente sentem-se apenas num dos lados da cabeça (ainda que possa acontecer dos dois) e são acompanhadas de sensibilidade à luz e ao som, náuseas e vómitos.

O chocolate e as dores de cabeça: Um estudo científico recente realizado em Londres refere que o chocolate provoca enxaquecas em 41% das pessoas, pelo que se for o seu caso, coma com limites.

Gostou deste artigo? Esperamos que sim! Clique em gosto ou deixe-nos um comentário. Talvez queiras ler mais sobre 15 PLANTAS MEDICINAIS PARA TER EM SUA CASA ou DIETA: OS ERROS QUE NUNCA DEVE COMETER.

Registration

Torne-se membro do Para Mim e beneficie de ofertas exclusivas

Torne-se Membro

Confirme os seus dados pessoais

Para finalizar o processo, preencha por favor os dados seguintes

Eu sou dessas pessoas que sofrem com enxaqueca, já há muitos anos numa consulta de neurologia fiz essa espécie de "diário" para perceber o que despoleta as crises: o chocolate, alguns tipos de queijo e actualmente até as mudanças de tempo! E as crises chegam a ser de 72h naquela semana difícil do mês! Agora já se fala mais no assunto, mas há uns anos quando diziamos no trabalho "estou com enxaqueca hoje não posso ir trabalhar" era um bocado complicado. Hoje já se fala mais neste problema.

  • Reportar