7 DICAS PARA AJUDAR AS CRIANÇAS COM ALERGIAS

7 DICAS PARA AJUDAR AS CRIANÇAS COM ALERGIAS

Quer seja o pólen, os animais de estimação ou os amendoins os culpados que desencadeiam as alergias do seu filho, temos algumas dicas para ajudá-la. Dicas que funcionam, porque outras mães já as experimentaram! Vamos contar-lhe aqui quais são, por isso este ano terá um pouco mais de ajuda!


Sintomas de alergia

Olhos inchados, nariz congestionado e comichão na garganta são alguns dos sinais clássicos das alergias sazonais. Da mesma forma que as erupções cutâneas, as náuseas e a língua inchada podem ser sinais de uma alergia alimentar. O mundo está repleto de coisas aparentemente inofensivas que, no entanto, podem causar problemas graves de saúde se formos alérgicos a elas.

Amor (e experiência) de mãe

Pedimos conselhos a algumas mães com experiência em matéria de "crianças com alergias" e que podem ajudá-la a gerir estas doenças crónicas. Quando vai com o seu filho ao médico, porque lhe parece que está a desenvolver reações alérgicas, tente seguir à risca o plano de tratamento que ele prescrever e tome medidas preventivas para reduzir os riscos da alergia poder escalar. Mas, sobretudo, o mais importante: apesar de não ter o poder de parar com as alergias, pode no entanto aliviar o desconforto físico do seu filho e dar-lhe a força que ele precisa para enfrentar a alergia.

7 DICAS para aJudar aS CRIANÇAS COM alergias

1. A chave está em si!

“O sucesso das crianças que enfrentam uma alergia é um reflexo da forma como você a enfrenta", afirma Linda Coss, cujo filho foi diagnosticado com alergias a determinados alimentos. "Existe uma grande diferença entre ‘enfrentar o desafio’ e a ‘sensação de estar dominado pelo peso de uma alergia perigosa para a sua saúde’”. Por isso, recomenda-nos uma abordagem sensata e equilibrada.

A experiência com o filho inspirou Linda a escrever livros para ajudar outros pais, funcionários da escola e até mesmo profissionais médicos.

2. Oriente o seu filho com respostas

O principal é estar bem informada para poder explicar as coisas aos seus filhos de uma forma que eles possam compreendê-las. Quando uma criança compreende o que se está a passar, é-lhe muito mais fácil viver com isso e explicá-lo aos outros. Pode ajudá-lo a contar o seu problema às outras crianças com naturalidade, preparando respostas fáceis às perguntas que elas costumam fazer-lhe sobre a alergia.

3. A vida não gira em torno das alergias

Elabore um estilo de vida saudável e divertido para a sua família, com atividades que não impliquem ter contacto com a alergia, dentro da medida do possível. E assegure-se que o seu filho leva uma vida "normal". "As alergias são um problema de saúde, não são um traço da personalidade", afirma Linda. "É importante que não se sintam sozinhos e que não pensem que são uns ‘bichos estranhos'".

 

4. Falem do que ele sente

"Nunca deixamos de pensar como poderemos estar mais conscientes de como as crianças se sentem e como nos poderemos preparar melhor para aliviar um pouco as suas incertezas e ansiedades", diz Tonya Winders, mãe de cinco filhos, quatro deles com alergias e asma. "Um dos problemas mais comuns é a criança sentir-se diferente ou excluída. É preciso fazer-lhe entender que todas as pessoas são "diferentes" de uma forma ou de outra ", partilhando também ela a perspetiva de Linda.

5. Juntar-se a uma comunidade

"É importante relacionar-se com outras pessoas que compreendam as preocupações com a saúde destas crianças e os aspetos emocionais que as acompanham", explica Tonya, que é também presidente da Rede de Alergias e Asma e das Mães de Asmáticos, pelo que sabe como é importante e valioso receber igualmente o apoio de outras mães.

6. Aprender através do ensino

Tonya recomenda o método de aprendizagem "ver, fazer e ensinar". Ela mostra às crianças como usar um inalador, por exemplo, sabendo que aproximadamente 80% dos alérgicos não utilizam corretamente os inaladores. "Assim, quando o veem e sabem usá-lo corretamente, são eles que me ensinam a mim." É uma forma eficaz de reforçar o comportamento e a aprendizagem. 

7. Escolha uma abordagem adequada à sua idade

Adapte a abordagem às fases de desenvolvimento da criança. "Os adolescentes podem pensar que são invencíveis, por isso é importante que tomem boas decisões e ajam de forma responsável", sublinha Tonya. Linda concorda que as crianças mais velhas precisam de ser elas a controlar os seus próprios medicamentos e a defender as suas próprias necessidades.

"O nosso objetivo como pais é criar adultos saudáveis e independentes", explica Tonya. "Portanto, as capacidades de autocuidado são importantes; conhecer o seu próprio corpo e saber como cuidar dele é uma competência essencial para a vida."

Gostou deste artigo? Faça “Gosto” ou deixe-nos um comentário, talvez nos tenhamos esquecido de falar sobre algum ponto importante. Não nos quer dizer? Talvez também lhe interesse ler Como prevenir Alergias!

Registration

Torne-se membro do Para Mim e beneficie de ofertas exclusivas

Torne-se Membro

Confirme os seus dados pessoais

Para finalizar o processo, preencha por favor os dados seguintes